Latest News

Arqueologia
Acadêmicos

Livros

Estudos

Criacionismo

Debates

Recent Posts

O Que Foi, e qual o legado da Reforma Protestante?

É Preciso voltarmos aos princípios da Reforma Protestante


Dia 31 de Outubro deste ano (2017) é comemorado o 500º Aniversário da Reforma Protestante. Falaremos um pouco sobre este movimento que mudou consideravelmente não só a história da Igreja Cristã, como o Mundo em geral. 

É Conhecido por todos, que de alguma forma estuda sobre esses acontecimentos, que a data estipulada como sendo o início da Reforma Protestante é dia 31 de Outubro de 1517, após o monge agostiniano Martinho Lutero fixar na porta da catedral de Wittemberg, na Alemanha 95 teses, que mostrava os erros e incoerência da Igreja Católica. Porém é preciso salientar que cristãos do mundo todo já haviam expressados sinais de insatisfação e ansiavam por uma mudança dentro da cristandade. 
Grandes nomes como: Jhon Wyclif, Jhon Huss, Jerônimo Savonarola e anteriormente grupos como: Os Albigenses (Puritanos) e os Valdenses (Seguidores de Pedro Valdo) em meados do ano (1170 DC.) Já ecoavam uma mudança radical dentro da Igreja, que vivia tempos de luxúria e desvios doutrinários significantes. 
Mas o grande estopim que culminou nesta reforma foi sem dúvida, algumas posturas adotadas pela Igreja Católica como as indulgências e aspectos relacionados com a salvação. Desta forma, é possível afirmar que a reforma iniciada por Lutero, foi na verdade um movimento inevitável que aconteceria mais cedo ou mais tarde.Já que neste período a sociedade em geral influenciada pelo pensamento Renascentista, havia tomado consideravelmente um sentimento de mudança e reforma. Lutero influenciado por esses sentimentos e sem sombra de dúvidas, por um espírito cristão genuíno, foi certamente a pessoa mais indicada a realizar tal tarefa. 
Após concluir o seu doutorado em teologia, começou a escrever sermões em salmos, romanos, gálatas e hebreus. Foi após estes trabalhos que passou cada vez mais a se desprender do catolicismo. ''No decorrer destes estudos o papado soltou-se de mim'' (Martinho Lutero) E Finalmente em 1517, após calorosos debates com um outro monge dominicano representante do papa, que estava na Alemanha cobrando indulgências, resolveu reagir afixando na porta do castelo de Wittemberg as 95 teses que condenavam tais abusos. Outro fato significativo, nesta época que não pode ser esquecido e certamente ajudou a difundir as ideias do protestantismo, foi a criação da Imprensa por Gutemberg. Que certamente ajudou muito na divulgação destas ideias por toda a Alemanha e países próximos.

Visto essas coisas, é mais que justo dizer que a Reforma não foi apenas um movimento produzido por homens e sim um ato do próprio Deus dos céus. Que a seu tempo age na história em favor de seu povo. 
A Reforma Protestante foi um movimento de reforma que englobou a política, religião e cultura e certamente influenciou grandemente a história da humanidade, transformando o mundo e a Igreja de Cristo. 
O Movimento liderado por Lutero, tinha como chave mestra a doutrina da Justificação pela fé e um retorno radical as escrituras e as origens do cristianismo. Movidos por esses princípios, a reforma se espalhou rapidamente por toda a Alemanha e consequentemente a diversos outros países da Europa encontrando eco anos posteriores no mundo todo. 

Ao longo desse processo, grandes homens surgiram no cenário reformado e de forma brilhante contribuíram para o fortalecimento e expansão do movimento. Grandes contribuições foram feitas, não somente à reforma, mas ao povo em geral. Enquanto na Alemanha a reforma foi iniciada e liderada por Lutero, na frança e na Suíça contou com Jhon Calvino, Guilherme Farel, Teodoro de Beza, Jhon Knox e Ulrico Zuínglio. 

Princípios Fundamentais da Reforma 

No processo da Reforma Protestante foi sintetizado alguns princípios fundamentais ou credos teológicos básicos, então chamados de (05 Solas). 
A Palavra Sola, vem do latim e em português significa ''Somente'', e implicitamente rejeitam e contrapõe os ensinamentos da então religião dominante (Igreja Católica). Sendo assim, ficou definido esses 05 pontos como sendo essenciais para a vida e prática cristã. Sendo eles: Sola Scriptura (Somente a Escritura), Sola Gratia (Somente a Graça), Sola Fide (Somente a Fé), Solus Christus (Somente Cristo) e Soli Deo gloria ( Glória somente a Deus). Falaremos resumidamente, sobre estes princípios fundamentais da fé reformada a seguir.

Sola Scriptura: (Somente a Escritura) 
É preciso relembrar, que a reforma do século XVI, foi acima de tudo, uma tentativa de volta as origens do cristianismo e estabelecer um retorno as escrituras como sendo a autoridade máxima do crente em oposição a autoridade ''infalível'' do clero. Portanto com o conceito de somente a escritura, os reformadores estavam afirmando que a bíblia era a única fonte de revelação divina escrita por qual o cristão deve ser avaliado e nela contém tudo que o homem necessita para a salvação. 
A Sola Scriptura é um princípio fundamental da Reforma e sustenta que as Sagradas Escrituras possuem primazia sobre a tradição e o magistério da Igreja. “Um simples leigo armado com as Escrituras é maior que o mais poderoso papa sem elas.” (Martinho Lutero). 

Sola Gratia: ( Somente a Graça) 
Este princípio é o ensinamento de que a salvação vem por meio da graça divina ou ´´favor imerecido´´e não por meio de obras, indulgências ou qualquer coisa externa a ela. Sola Gratia é o favor de Deus ao pecador mediante a pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; Efésios 2:8,9

Sola Fide: (Somente a Fé) 
Este é o ensinamento de que a Justificação ou seja (o ato de ser declarado Justo, apenas por Deus) é recebida somente pela fé sem necessidade das boas obras em contraste com a doutrina católica de que o homem é justificado por obras e fé. Sola Fide é o entendimento de que o homem não pode ser justificado por seus méritos e sim somente pelos de Cristo. "fé produz justificação e boas obras" Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei. Romanos 3:28 

Solus Christus: (Somente Cristo) 
É o ensinamento de que Cristo é o único mediador entre Deus e os homens , e não existe salvação em nenhum outro. Solus Christus é o princípio que revela o senhorio de Cristo em contrário aquilo que se entendia na época, de que o papa era o vigário de Cristo e Maria a mediadora dos homens. Somente Cristo salva e conduz o homem a Deus. 

Soli Deo Gloria: (Glória somente a Deus) 
Este é o ensinamento de que a glória é devida somente a Deus, pois a salvação é realizada unicamente por sua vontade e ação, através de Jesus Cristo e o Espírito Santo. Soli Deo Gloria é o reconhecimento de que tudo pertence a ele, inclusive o crente que deve glorificá-lo em todas as áreas da vida, seja religiosa ou não. 

Estamos partindo para o fim deste artigo, já vimos um pouco da história (Ainda que resumida) da Reforma, seus principais princípios teológicos e agora é preciso lembrarmos do legado deste grandioso empreendimento de Deus. 

O Legado da Reforma para a Igreja e o Mundo 

Não podemos negar que o maior legado produzido pela Reforma para a Igreja de Cristo foi certamente o retorno e apreço pelas escrituras, levando Lutero a traduzir as escrituras para o idioma alemão e produzindo gradativamente o acesso do povo comum à bíblia, permitindo assim que pessoas simples pudessem conhecer a Deus.

A Doutrina da Justificação pela fé e a do sacerdócio dos santos, defendida pelos reformadores mudou a maneira dos cristãos de se relacionarem com Deus, retirando aquele fardo imposto pela religião dominante e trazendo aquilo que Paulo fala em uma de suas epístolas ´´Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; ´´ Romanos 5:1 
Além desses importantes avanços e mudança de paradigmas para a Igreja é preciso lembrarmos, que o legado da reforma ultrapassa os arraiais cristãos expandindo-se ao mundo todo, proporcionando o acesso a educação ao povo, com criações de diversas universidades ainda no século XVI, e posteriormente diversas outras que contribuíram sem sombra de dúvida para o progresso do mundo. 
Entre elas, estão as mais renomadas: Harvard (1643) e Princeton (1746), a Universidade Livre de Amsterdam (1881) e Yale fundada em (1640). Além da área educacional, a Reforma certamente abriu caminho para diversas outras áreas, como a ciência e até mesmo na economia.

Jorge A. Ferreira 
É Presbítero da Igreja Assembléia de Deus, Bacharel em Teologia, Articulista e Palestrante do Seminário À Luz da Bíblia.

Porque o Templo de Salomão é irelevante para nós Cristãos?

O Templo de Salomão por Paulo Romeiro.

O Templo de Salomão é certamente um dos maiores e mais caros templos do mundo. Construído em São Paulo, pelo então líder da Igreja Universal do Reino de Deus ( Edir Macedo) é uma obra arquitetônica grandiosa, que certamente impõe respeito. Mas o que devemos perguntar é. O que uma obra como esta tem a ver com o cristianismo?

Palestra Ministrada pelo Pastor Paulo Romeiro no Encontro Apologético, explica esta e outras questões sobre o Templo de Salomão.

Arqueologia confirma relato bíblico sobre o rei Ezequias

Portal datado de 2.900 anos de idade, que confirmam o relato bíblico sobre os atos do Rei Ezequias é encontrado.
Portal datado de 2.900 anos de idade, que confirmam o relato bíblico sobre os atos do Rei Ezequias.
Arqueólogos israelenses descobriram em Laquis (ou Tel Lachish, em hebraico), Israel, um santuário e um portal da cidade, datado de 2.900 anos de idade, que confirmam o relato bíblico sobre os atos do Rei Ezequias.  
De acordo com a Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI), o portal e o santuário são a prova das medidas tomadas por Ezequias (12º rei da Judeia), para abolir as divindades pagãs cultuadas na cidade. De acordo com o relato bíblico de 2ªReis 18:4, o rei Ezequias removeu os altares idólatras, quebrou as colunas sagradas e derrubou os postes sagrados. Despedaçou a serpente de bronze que Moisés havia feito, pois até àquela época os israelitas lhe queimavam incenso. Ela era chamada Neustã. 
O portal é a entrada para uma área de 24,5 metros quadrados, onde foram encontradas seis câmaras orientadas para a rua principal da antiga cidade. A seção norte do portal foi escavada décadas atrás por uma expedição liderada por arqueólogos do Reino Unido e da Universidade de Tel Aviv. A última escavação, realizada este ano, tem objetivo de revelar o portal completo. 

O tamanho do portal coincide com o conhecimento histórico e arqueológico que temos, disse Sa’ar Ganor, diretor da escavação do IAA. “De acordo com o relato bíblico, “tudo ocorreu” perto dos portões da antiga cidade de Tel Lachish onde esse edifício foi construído”, destacou Ganor. O alto escalão social da cidade – incluindo anciãos, juízes, governadores, reis e funcionários – sentavam-se nos bancos, junto à porta da cidade, e estes bancos foram encontrados em nossa escavação, disse Ganor.

O Ministro de Assuntos Estratégicos, Ze’ev Elkin, afirmou que descobertas como essa confirmam… “como os contos bíblicos que conhecemos se transformam em fatos históricos e arqueológicos, enquanto a investigação prossegue.” O portal da cidade em Laquis está agora exposto e conservado a uma altura de cerca de 4 metros. A escavação revelou que a primeira câmara tinha bancos com apoios de braço, frascos e colheres que foram utilizados para o carregamento de grãos, além de outros utensílios como jarros grandes, cuja suas alças estavam gravadas com o selo do rei Ezequias, na forma das letras “LMLK”. Estes frascos foram provavelmente relacionados com os preparativos militares e administrativos do Reino de Judá, na guerra contra Senaqueribe, rei da Assíria, no final do século VIII a.C, disse o IAA.
Além disso, os arqueólogos encontraram um banheiro de pedra instalado na esquina do portal do santuário, talvez como um meio de profanação, disse o IAA. A Bíblia menciona outras descrições de instalações sanitárias em áreas de culto para fins de profanação. Por exemplo, o Rei Jeú ordenou a destruição do culto a Baal em Samaria. No entanto, esta é a primeira vez que uma descoberta arqueológica confirmou uma passagem referindo-se a “latrina” (banheiro, vaso sanitário) na Bíblia. Testes de laboratório neste banheiro de pedra, sugerem que ele nunca foi usado e pode ter servido apenas com o propósito simbólico diante do portal do santuário, sendo selado e depois destruído por Senaqueribe em 701 a.C, disse o IAA. 

Fonte: Raciocínio Cristão.

Qual a verdadeira motivação para buscar a vida eterna?

“E a vida eterna é esta: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”

E a vida eterna é esta: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste

Você já se perguntou por que o perdão de Deus possui algum valor? E quanto à vida eterna? Você já se perguntou por que você quer a vida eterna? Estas questões são importantes porque é possível querer o perdão e a vida eterna por razões que podem indicar que você não os possui.

Tome o perdão, por exemplo. Você pode querer o perdão de Deus por estar muito infeliz com sentimentos de culpa. Você só quer alívio. Se você puder crer que ele te perdoa, poderá ter algum alívio, mas não necessariamente a salvação. Se você quer o perdão só por causa do alívio emocional, você não terá o perdão de Deus. Ele não o dá a quem o usa apenas para obter seus dons, mas não a ele mesmo.

Ou você pode querer ser curado de uma doença, ou conseguir um bom emprego, ou encontrar um cônjuge. Então você ouve que Deus pode ajudá-lo a obter essas coisas, mas que primeiro os seus pecados devem ser perdoados. Alguém lhe diz para crer que Cristo morreu pelos seus pecados, e que se você crer nisso, seus pecados serão perdoados. Então você crê apenas para remover o obstáculo à saúde, ao emprego e ao cônjuge. Isso é a salvação do evangelho? Acho que não.

Em outras palavras: importa, sim, o que você espera por meio do perdão. Importa por qual motivo você o quer. Se você quer o perdão só por uma questão de desfrutar a criação, o Criador não é honrado e você não é salvo. O perdão é precioso por uma razão definitiva: ele permite que você desfrute de comunhão com Deus. Se você não quer perdão por essa razão, você não irá tê-lo de forma alguma. Deus não será usado como moeda para a compra de ídolos.

Semelhantemente, por que queremos a vida eterna? Pode-se dizer que é porque o inferno é a alternativa, e isso é doloroso. Ou pode-se dizer que é porque não haverá nenhuma tristeza lá. Ou porque nossos entes queridos foram para lá, e queremos estar com eles. Ou pode-se sonhar com sexo ou comida sem fim. Ou ainda, buscar fortunas mais nobres. Em todos estes alvos, uma coisa está faltando: Deus.

O motivo salvador para querer a vida eterna é dado em João 17.3: “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. Se não queremos a vida eterna porque ela significa alegria em Deus, então não teremos vida eterna. Simplesmente nos enganamos que somos cristãos se usamos o glorioso evangelho de Cristo para obter o que amamos mais do que Cristo. A “boa nova” não se mostrará boa para ninguém que não tenha Deus como o bem maior.

Jonathan Edwards apresenta isso desta maneira em seu sermão “Deus Glorificado na dependência do homem”, pregado em 1731. Leia isto lentamente e deixe-o acordar você para o verdadeiro bem do perdão e da vida.

Os redimidos têm todo o seu bem objetivo em Deus. O próprio Deus é o grande bem que recebem a posse e o gozo através da redenção. Ele é o bem mais elevado, e a soma de todo o bem que Cristo adquiriu. Deus é a herança dos santos; ele é a porção de suas almas. Deus é a sua riqueza e tesouro, seu alimento, sua vida, sua morada, o seu ornamento e diadema, e sua honra e glória eterna. Eles não têm a ninguém no céu senão Deus; ele é o grande bem no qual os resgatados são recebidos na morte, e para o qual eles se levantarão no fim do mundo. O Senhor Deus, ele é a luz da Jerusalém celestial, e é o “rio da água da vida” que corre, e a árvore da vida que cresce “no meio do paraíso de Deus”. A gloriosa excelência e beleza de Deus será o que para sempre entreterá a mente dos santos, e o amor de Deus será o seu banquete eterno. Os remidos, de fato, desfrutarão de outras coisas; eles apreciarão os anjos, e desfrutarão uns dos outros; mas o que eles desfrutarão nos anjos, ou no outro, ou em qualquer outra coisa que seja, que irá render-lhes prazer e felicidade, será o que de Deus será visto neles.

O evangelho é, em última análise, a respeito de Deus. Só ele é o autor e alvo da salvação. A boa notícia de João 3.16 é que Deus é o fim principal do evangelho. Ele amou o mundo de tal maneira não apenas para nos dar perdão ou vida eterna, mas para nos dar algo ainda maior: a si mesmo.

John Piper é doutor em Teologia pela Universidade de Munique e fundador do desiringGod.org e chanceler no Bethlehem College & Seminary. Ele serviu por 33 anos como pastor principal da Bethlehem Baptist Church em Minneapolis, Minnesota. Piper é autor de diversos livros, incluindo Uma Glória Peculiar (Fiel) e Em busca de Deus (Shedd).

Por: John Piper. © 2016 Ligonier. Original: God.

Este artigo faz parte da edição de maio de 2016 da revista Tabletalk.

Tradução: TRADUTOR. Revisão: REVISOR. © 2014 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. 
Videos

Inscreva-se